domingo, 16 de novembro de 2014

Gatos, fios dentais e amassos

Existe uma dúvida que ronda minha mente quase toda manhã quando acordo cedo pra ir trabalhar. Quando foi, exatamente, que deixei de ser adolescente e me tornei adulta? Quer dizer, lógico que tirar a carteira, morar sozinha e aprender a cozinhar pra sobrevivência são coisas que ajudam pro amadurecimento pessoal, mas e se eu disser que minha adolescente interior sempre esteve (e estará) aqui dentro de mim? Existem um milhão de justificativas para tal fato, mas hoje só quero direcionar esse papo para o fato de que meus filmes e séries favoritos são sobre a dinâmica adolescente acerca de primeiros beijos, preocupações sobre se os pais vão se separar e se era amor ou cilada. Por isso, hoje quero falar sobre um filme que assisti pela OITAVA (sim, oitava) vez com essa temática e que se chama "Angus, Thongs and Perfect Snogging" ou, como ficou em português, "Gatos, fios-dentais e amassos"

A trama gira em torno da vida da Geórgia. Ela tem catorze anos, é excêntrica, alegre, meio doida, louca por gatos e sofre inseguranças por causa do tamanho do seu nariz. Certo dia, um garoto novo chega no seu colégio e torna sua vida e de suas amigas de cabeça pra baixo. Como chamar atenção? O que "te ligo depois" significa? O que será que ele vê nela? São questões que rondam a cabeça de Geórgia, sendo que ao mesmo tempo ela tem que lidar com a festa de aniversário que é no mesmo dia da garota mais popular do colégio e dificuldades familiares. Bem clichê, né?


Não sei porque, entretanto, gosto tanto desse filme. Talvez seja a nostalgia (eu tinha quinze anos quando vi pela primeira vez) ou talvez seja o fato de que o filme se encaixou tão bem como o que eu sentia e me perguntava no momento que a coisa tem um sentido todo especial pra mim. Esse é um filme sobre as preocupações e acontecimentos que aparecem no começo da puberdade de toda menina. O primeiro beijo, o primeiro namorado, as inseguranças com o corpo, a importância da presença da família, sobre as loucuras que fazemos pra sermos notadas e, principalmente, sobre como é importante não se perder de quem você é no meio dessa picuinha toda. Acho que por esse motivo, em especial, eu amo tanto esse filme. 


Acho que todo mundo subestima muito os adolescentes quando passam pro lado adulto quando, na verdade, tudo o que as pessoas nessa fase precisam é de atenção e alguém que as ouça. Realmente acho que esse filme aquece o coração de qualquer adolescente por ser simples, direto e cheio de urgências que todo mundo já passou um dia. E acho que os jovens-adultos como eu também deveriam dar uma chance para um dia em que estiverem num domingo sem muita perspectiva do que fazer, rever como era boa e gostosa aquela época de ~paqueração~.

Sem falar que o filme se passa na terra da rainha (o lugar da minha vida hehe), na trilha sonora indie pop britânica maravilhosa e que influenciou muito o que ouço até hoje e no gracinha do Aaron Johnson (aliás, o que aconteceu com esse homem, gente??????????????). Deixarei aqui em baixo a playlist do filme pra vocês degustarem um pouquinho:



6 comentários:

  1. O filme parece ser legal, qualquer hora vou parar pra assistir. Mas sei lá, nem quando eu era adolescente eu me sentia adolescente xD sempre tive outras preocupações, outros anseios... acho que a única coisa de adolescente que restou em mim é reclamar diariamente do "grandes poderes trazem grandes responsabilidades". Era daora não ter responsabilidade praticamente nenhuma xD mas ainda assim, fico feliz que a adolescencia passou. Que fase!

    Um beijo!
    http://chasing-dragon.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. A gente sempre tem aquela tendência de achar que todo mundo que é mais novo que a gente deve ser levado um pouco menos a sério. Engraçado que eu sempre levei criança muito a sério, e vivo com pé atrás com os adolescentes - vivo me forçando a lembrar que, gente, ser adolescente é um turbilhão, dá um trabalho danado e que o mundo devia ter mais paciência com eles, a começar por mim, hahaha. Nunca tinha ouvido falar desse filme, a propósito, e fiquei chocada que você já viu OITO vezes #banana.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Eu e uma das minhas melhores amigas temos um problema sério com esse filme, porque a gente fica entre o "AI MEU DEUS TÁ PASSANDO COLOCA AÍ" e o "tô tentando descobrir por que eu to sorrindo com essa merda", mas o ponto é que a gente sempre assiste, sempre tem crises com todas as cenas bonitinhas (quando o Rob corre atrás da Georgia pra ajudar a procurar o Angus e rola aquele climinha nos barcos? Ai, muito fofo), e sempre fica se perguntando por que a gente perde tempo, afinal a protagonista tem catorze anos e a gente tem ~dezessete~ e os ~nossos problemas~ já não são assim tão parecidos com os dela, embora às vezes sejam e aí a gente fica naquela de "meu deus, eu ainda tô nessa fase".
    Eu adoro esse filme porque a Amanda de quinze anos se sente representada por ele, e acho incrível que ele lide com coisas tipo a maneira como a gente se preocupa com nossa aparência, ou às mudanças que a gente faz (e depois se arrepende) por causa de algum garoto, ou ao inferno que é a transição dos catorze pros quinze anos, onde rolam todas aquelas mudanças no corpo e na mente. Também acho que essa fase não devia ser ignorada pelos mais velhos, principalmente porque vocês já passaram por isso e sabem o caos que é. Acredito que, no fim das contas, todo mundo precisa desses filmes, seja pra pensar que CARAMBA É EXATAMENTE ISSO QUE EU TO PASSANDO, seja pra lembrar que CARAMBA, EU PASSEI POR UMA COISA MUITO PARECIDA. hahaha
    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Um dia eu tava trocando de canal e acabei assistindo esse filme por tabela. Eu lembro que eu curti muito na época, mas só assisti uma vez e não lembro mais /tanto/ assim do filme. Ler esse teu post me deu muita vontade de assistir de novo. E, assim como tu, eu AMO essa temática adolescente.

    Amo filmes adolescentes, de ensino médio... Deve ser uma das minhas temáticas favoritas. <3

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Nunca assisti esse filme, o que é terrível, porque eu adoro filmes adolescentes. Muita gente tem mesmo mania de fazer pouco caso deles, e acho que por isso tenho uma dificuldade imensa de me tratar como adulta, porque não só não consigo deixar de gostar deles, como continuo levando muitas dessas situações e angústias muito a sério, porque são coisas que ainda fazem parte do meu dia-a-dia. Algumas coisas, claro, me fazem revirar os olhos, mas aí eu tento me controlar porque ser adolescente é mesmo uma coisa muito louca e a gente não deve ficar desmerecendo as questões alheias.

    beijo!

    www.starshipsandqueens.com

    ResponderExcluir
  6. Já vi esse filme algumas vezes, e até acho que ja li o livro há muito tempo. Não tenho certeza.
    Adoro essa temática adolescente. Hoje a gente ve esses filmes e pensa como era a nossa preocupação naquela época.

    ResponderExcluir

Meu estágio, minha vida

Há cerca de dois ou três anos eu costumava escrever bastante sobre os sufocos que passava na universidade. Falava muito sobre minhas dúvid...